segunda-feira, 10 de julho de 2017

Novo site com material premium SLB!

Em parceria com alguns amigos, acabámos de lançar o site www.epluribusunum.pt que terá análises táticas, análise de jogadores, notícias, relato das viagens para ver o Benfica jogar fora, entrevistas e todo um manancial de artigos que achamos que serão do interesse dos benfiquistas.

Para já temos, entre outros, uma entrevista exclusiva a Vítor Paneira.


site: www.epluribusunum.pt
facebook: https://www.facebook.com/tudocomecouem1904
twitter: Follow @Unum1904
e-mail: slb@epluribusunum.pt


Por favor, ajuda-nos a divulgar esta iniciativa!

terça-feira, 30 de maio de 2017

A não tanta hegemonia do Sport Lisboa e Benfica

Terminámos a época a comer dobradinha à hora do lanche e debaixo de uma tremenda carga de água. Maior do que a chuvada, só a alegria pela conquista da 26ª Taça de Portugal e o choro de dragartos que ecoava por todo o país - deve ser daí que veio tanta água... já os sportinguistas e portistas souberam reconhecer a superioridade do Sport Lisboa e Benfica e felicitar o #tetracampeão pelo #triplete a que apenas faltou a Taça da Liga.
Para quem ache que o Benfica se encontra num período de hegemonia interna indiscutível, com a conquista de 11 troféus em 16 possíveis, terei que discordar. Apesar dos números o fazerem aparentar, a realidade é que a margem entre o sucesso e insucesso tem sido demasiado reduzida para que possamos falar numa hegemonia comparável à que o FCPorto exerceu na década de 90 por exemplo. Nessa altura, o FCP exerceu sobre todos os outros uma autoridade suprema, arrasando com todos aqueles que o defrontavam. E é aí que o Benfica ainda não está, e é para o aí que terá que tentar caminhar. Não nos deixemos iludir com os títulos já conquistados, pois esses já passaram. Foquemo-nos desde já no futuro e saibamos trabalhar ainda melhor do que temos feito, pois muito melhor que a conquista do #tetracampeonato é a conquista do #penta.
O Benfica ainda não conseguiu ter uma série consecutiva de jogos a ganhar em casa ao FCP e a ir ao Dragão ganhar 1 a cada 2 jogos por exemplo... e isso é fundamental para a criação de uma hegemonia que perdure, o conseguir criar no adversário um sentimento de impotência que reduz em muito as hipóteses deste ter sucesso. O FCP e o SCP têm que saber que vêm à Luz perder, ponto final.
Há muito trabalho para ser feito e caminho para percorrer. É tempo agora de descansar das emoções deste ano, mais uma vez fabuloso, e prepararmo-nos para as batalhas que aí virão, tendo a consciência de que nada será mais fácil apenas porque ganhámos no passado, mas tudo continuará apenas a depender do trabalho que façamos.
Para o ano há mais, é rumo ao #penta!!!!!

quarta-feira, 17 de maio de 2017

#Tetra

Objetivo cumprido com maior dificuldade do que seria de esperar após a queda do SCP. FCP continuou sempre a mostrar muito pouco para fazer face à maior valia do SLB. A sorte manteve-os na corrida mais tempo do que seria de esperar.
Benfica a fazer também muito menos do que seria de esperar, diria que apenas mostrou 50% do potencial que estes jogadores possuem aos dias de hoje. Éderson, Nélson Semedo, Lindelof, Grimaldo, Fejsa, Pizzi, Rafa, Zivkovic e Jonas são jogadores que poderiam ter levado a equipa para um outro patamar (um patamar que só se viu no jogo do título contra o VitóriaSC por exemplo).

No entanto, ser #tetracampeão com tantas lesões, onde o plantel apenas esteve todo disponível à 32ª ou 33ª jornada é uma conquista digna de todos os louvores. O maior gestor de homens que passou pelo Sport Lisboa e Benfica desde há muitos anos é o principal responsável por esta conquista e que só foi possível pela união que conseguiu transmitir a cada um dos elementos do plantel encarnado.

Se defensivamente RVitória apresentou desde cedo sinais de crescimento evidentes, ofensivamente ainda há muito para trabalhar. Raúl veio trazer uma dinâmica que aproxima mais o Benfica do pretendido (maior dinâmica e trocas posicionais que aconteciam por ex. com Guedes) onde também ajudou a subida de forma de Jonas. O caminho é o correto, mas devido às muitas lesões e ao elevado número de jogos, talvez não se tenha conseguido atingir os patamares pretendidos. Para o ano há que juntar aos resultados as exibições, pois só assim se conseguirá estar mais perto de atingir os objetivos.

Por agora, está na hora de focar e atingir o segundo objetivo mais importante do ano, a conquista da Taça de Portugal. Após 3 vitórias fáceis frente ao VitóriaSC, há que desconfiar de tudo, pois este jogo poderá não ter nada a ver com os anteriores. O VitóriaSC tem uma excelente equipa e fará possíveis e impossíveis para ganhar este troféu. A única coisa que me deixa mais confiante é o saber que Rui Vitória sempre que vai ao Jamor, ganha o troféu!

Mister, ainda não me esqueci que nos roubou uma Taça de Portugal, está na altura de nos compensar! Se ganhar esta Taça, e após a conquista de 2 campeonatos, quase que o desculpo por tamanha desfeita...vou pensar no seu caso, trate lá de ganhar a Taça ;)

quarta-feira, 8 de março de 2017

BVB - SLB: antevisão

O possível sucesso do SLB nesta eliminatória passa quanto a mim por alguns pontos:

  1. Não perder a bola na 1ª fase de construção
  2. Impedir a superioridade numérica na saída da 1ª fase de construção do BVB
  3. Tentar ganhar a bola na 1ª fase de construção do Borussia


  1. Não perder a bola na 1ª fase de construção
O Borussia faz uma pressão muito alta e mal recupera a bola, lança logo os seus avançados. Esta situação terá que ser evitada a 100%, ou seja, faça-se o que se tiver que fazer para que isso aconteça. Caso seja necessário, bater longo na frente; caso já tenha havido a perda, fazer falta.
Se for necessário abdicar da construção a partir de trás (tal como prevejo que seja nos primeiros 20-25 minutos de jogo), então creio que se deve abdicar. Acima de tudo, é importante reverter este ponto que é para mim o mais forte do Borussia.


     2.  Impedir a superioridade numérica na saída da 1ª fase de construção do BVB

Basicamente, impedir que aconteça o que aconteceu na 1ª parte do jogo da Luz. Muito melhor a equipa na 2ª parte, creio que a solução passará pela mesma opção - 3 médios interiores, saindo cada um à vez ao central mais perto da lateral e tentar asfixiar logo aí o Borussia, obrigando-os a baterem longo.
Tal como na 1ª mão, é vital impedir que um tal de Weigl toque na bola. Diz que até as bolas de râguebi o rapaz consegue colocar redondinhas para os colegas...


     3.  Tentar ganhar a bola na 1ª fase de construção do Borussia

Este será o momento mais indicado para o Benfica poder sair em contra-ataque. Recuperando a bola no início do seu meio-campo (ou mais alta, claro) e com a defesa do Dortmund subida, conseguir criar perigo pela igualdade (ou pouca desigualdade) numérica que provavelmente acontecerá. Para que isto possa acontecer, é vital que ocorram boas decisões, uma vez que não serão muitas as oportunidades que o Benfica terá.

Pelo ponto 1, temos que Luisão terá que jogar e não Jardel (adicionando o facto da liderança e calma que o capitão transmite em momentos de maior intranquilidade) e Eliseu terá que jogar e não André Almeida. A defesa fica então constituída pelo quarteto habitual: Nélson Semedo, Luisão, Lindelof e Eliseu.

Pelo ponto 2 terá que jogar Samaris mais recuado, com Pizzi e Felipe Augusto mais à frente, prontos a pressionar os centrais do Dortmund. Nunca André Almeida (tática e tecnicamente muito inferior a qualquer um dos outros); caso Felipe Augusto não esteja recuperado, André Horta terá fazer o seu lugar. Este trio terá que ter capacidade para ganhando a bola, conseguir retirá-la da zona de pressão e lançar rapidamente o contra-ataque.

Quanto ao ponto 3, impõe-se a entrada de jogadores com critério em posse. Zivkovic, Rafa e Jonas são as opções imediatas para este tipo de jogo mais criterioso. A vantagem de ter Jonas na 2ª mão e deste não ter jogado o 1º jogo poderá ser fulcral, pois é ele o elemento que permitirá que o Benfica consiga ter mais bola e apanhar de surpresa o BVB - o que não aconteceu na 1ª mão. Poderá entrar Raúl (mais velocidade e maior capacidade de pressionar) ou Mitro (mais golo e aproveitamento do momento de forma atual) ao invés de Jonas.

Defender em 4-5-1 ficando 4-4-2 consoante o lado da bola e atacar com uma de duas formas: 
  • Zivkovic e Rafa mais adiantados, com Jonas a baixar para dar linha de passe aos médios após recuperação de bola ou entrelinhas aquando de organização ofensiva. Nesta opção abdica-se da disputa da 1ª bola aérea no jogo direto, preparando a equipa para ganhar a 2ª bola. Teríamos muito mais bola, mas teríamos que jogar menos com bola pelo ar e arriscar mais na fase de construção.
  • Zivkovic e Rafa com Raúl ou Mitro mais adiantados, cabendo a um dos extremos o papel de baixar para dar linha de passe (após recuperação). Em organização, o jogo direto aéreo teria que ser mais privilegiado, com os extremos a terem que tentar receber nas costas da defesa após as bolas aéreas que fossem ganhas pelo ponta-de-lança.
Em organização ofensiva, é o habitual...fingir que se ataca pelo lado esquerdo e meter tudo pela direita, com a vantagem de não se ter lá o Sálvio armado em tótó... Zivkovic e Nélson a tentarem desequilibrar com 1-2, Jonas a pedir entrelinhas e Rafa a explorar a profundidade; com Pizzi, Samaris e Felipe Augusto a terem que reagir muito rápido caso a equipa perca a bola.

Às 19h45 teremos o jogo mais difícil do ano.